Colunistas - Rodolfo Bonventti

Rubens Correa - Veterano dos palcos, brilhou nas novelas

15 de Setembro de 2021

Rubens Alves Corrêa nasceu na cidade de Aquidauana, no Mato Grosso do Sul, e chegou no Rio de Janeiro nos anos 1950, onde foi estudar artes cênicas no Teatro Tablado de Maria Clara Machado.

Rubens Correa e Vanda Lacerda no filme Álbum de Família de 1981

Formou-se em 1958 e foi cursar depois direção na Escola de Dulcina de Moraes, onde foi companheiro dos grandes atores Ivan de Albuquerque e Cláudio Correa e Castro. Ficou sócio de Ivan e eles fundaram o Teatro do Rio, onde estreiou como ator e diretor em 1959.

Rubens Correa e Rosamaria Murtinho em Kananga do Japão de 1989

Foi nos palcos que Rubens Correa construiu uma carreira de grande sucesso e foi premiado várias vezes como melhor ator. Participou de montagens expressivas do teatro brasileiro como “Espectros”; “O Círculo Vicioso”; “A Escada”; “Marat Sade”; “O Assalto”; “O Arquiteto e o Imperador da Assíria”; “Hoje é Dia de Rock” e “Diário de um Louco”, entre outros.

Vencedor dos maiores prêmios de teatro do Brasil, a partir dos anos 1970, Rubens Correa se volta para atuar também no Cinema e na TV, onde conquista público e crítica especializada com seus personagens fortes e impactantes. 

No Cinema atuou em oito filmes, com destaque para “Perdoa-me por me Traíres”; “Bonitinha Mas Ordinária”; Álbum de Família” e “Tanga – Deu no New York Times”. 

Chegou a Televisão em 1967 na novela “Os Miseráveis”, exibida pela TV Bandeirantes, onde interpretava o personagem Vidigal.

Mas assumiu a TV definitivamente a partir de 1984, quando foi convidado a estrear na TV Globo na novela “Partido Alto” de Glória Perez. Não parou mais até 1995, atuando em novelas e minisséries nas TVs Globo e Manchete.

 Na TV Globo se destacou nas produções “Mandala”; “Abolição” e na minissérie “Decadência”, seu último trabalho como ator.

Na Rede Manchete marcou presença nas novelas “Kananga do Japão”; “Pantanal; “Amazônia” e “Guerra Sem Fim” e nas minisséries “Escrava Anastácia”; “Ilha das Bruxas” e “O Marajá”.

Rubens Correa nos deixou um dia antes de completar 65 anos de idade, na cidade do Rio de Janeiro, por complicações de saúde em função da AIDS.

Um grande nome dos nossos palcos que se destacou também em trabalhos memoráveis no Cinema e na TV.

Comentários
Assista ao vídeo
cture-in-picture" allowfullscreen>