Colunistas - Rodolfo Bonventti

Eterna Memória: Felipe Carone, um ator de papéis com boa dose de humor

4 de Junho de 2020

ETERNA MEMÓRIA | FELIPE CARONE– (25/07/1920 – 27/03/1995) 

O paulistano Felipe Carone era filho de uma família de classe alta e teve excelente educação em grandes escolas e colégios da cidade de São Paulo.

A estréia como ator foi no cinema, em 1958, na fita “Macumba na Alta” e logo em seguida participou de “Moral em Concordata”, adaptação de uma peça de teatro para o cinema estrelada por Maria Della Costa e Jardel Filho.

Na televisão, Felipe Carone chegou em 1964 em novelas sem muito destaque exibidas pela TV Record na época: “João Pão” e “Marc ados pelo Amor”.

Em 1965 ele vai para o grande elenco de atores contratados pela TV Excelsior de São Paulo e chama a atenção do público e da crítica especializada ao participar das novelas “Em Busca da Felicidade” de 1965 e “Os Tigres” de 1968.

A estréia na teledramaturgia da TV Globo se deu em 1969 na novela “A Grande Mentira”, que era estrelada por Cláudio Marzo e Myriam Pérsia. Daí em diante fez inúmeras novelas e minisséries na emissora, se transformando em dos seus principais atores.

O grande sucesso veio com papéis cômicos em novelas como “Pigmalião 70”; “A Próxima Atração”; “O Cafona”; “Bandeira 2”, um grande trabalho como o bicheiro Jovelino Sabonete e “Uma Rosa Com Amor”.

Felipe Carone também foi presença constante no cinema brasileiro dos anos 1970 e participou de várias comédias da fase áurea da pornochanchada, entre elas, “Lua de Mel e Amendoim”; “Os Mansos”; “Uma Mulata Para Todos”; “O Roubo das Calcinhas” e “A Árvore dos Sexos”.

O ator também teve forte presença nos palcos nacionais onde participou de montagens expressivas como “Auto da Compadecida”; “O Diário de Anne Frank”; “As Feiticeiras de Salém”;  “Doce Pássaro da Juventude”; “O Peru”; “El Grande de Coca Cola”; “Camas Redondas, Casais Quadrados” e da montagem de “Além da Vida”, texto psicografado por Chico Xavier e Divaldo Franco e com a qual ele viajou o País por vários anos.

Seus últimos trabalhos na TV foram as novelas “Vida Nova” de 1988 e “Top Model” de 1990, ambas na TV Globo. Carone faleceu na Clínica Sorocaba, no Rio de Janeiro, em 27 de março de 1995, vitimado por um câncer no esôfago.

Comentários
Assista ao vídeo
cture-in-picture" allowfullscreen>